Hung Sing Gwoon Minho

Escola Tradicional de Choy Lee Fut Kung Fu, Sanda, Chi Kung da Familia Chen

Luohan Qigong

O Qigong tem origem em tempos remotos. Existem relatos escritos, datados de 230 A.C., sobre uma dança que fortalecia o corpo, regulava a respiração, activava a circulação sanguínea, e tratava algumas doenças. Ao longo dos séculos os conhecimentos desta prática milenar foram-se enriquecendo e o Templo de Shaolin foi o fulcro do seu desenvolvimento. Actualmente, existem na China diversas Escolas Tradicionais de Qigong, uma delas, é dirigida pelo Mestre Chen Yong Fa, Representante Máximo do Sistema Choy Lee Fut que inclui o Luhoan Qigong.

O Luohan Qigong consiste no exercício ou trabalho da energia interna através do controlo do movimento e da respiração, com o objectivo de promover o fluir do Qi (Chi) ao longo dos meridianos do corpo. Esta prática é simultaneamente um exercício mental e físico, uma vez que visa, numa perspectiva interna, implementar a harmonia do Jing, do Qi e do Shen, e externamente fortalecer o corpo e promover a saúde.

 

O termo Qigong abrange, mas, também, ultrapassa o conceito de “ginástica” que se utiliza no Ocidente. Engloba, quer exercícios estáticos, quer exercícios dinâmicos. Os primeiros exercitam a mente através da meditação e massajam internamente os órgãos internos através da respiração. E os exercícios dinâmicos eliminam tensões, fortalecem os ossos, ligamentos e tendões, exercitando os músculos.

 

A prática de Qigong utiliza múltiplos exercícios, destinados a desenvolver a força física, energética, mental ou espiritual. Tem, também, finalidades terapêuticas, mediante o desenvolvimento e a utilização da Energia Vital (Qi). Actualmente, está comprovado que o Qigong estimula o sistema imunitário e favorece o tratamento e cura de inflamações e degenerações corpóreas. Tem um efeito calmante no sistema nervoso e consequentemente é altamente benéfico no tratamento de casos de ansiedade, insónia e depressão.

 

Adicionalmente, para os praticantes de artes marciais é um complemento para melhorarem as suas capacidades físicas e mentais e desde logo, o seu desempenho marcial. De facto, as Artes Marciais e nelas incluindo-se o Tai Chi, são um meio excelente de aprimorar as faculdades físicas e mentais, através dos estados de relaxamento e na libertação de tensões. Todavia, muitos  dos seus praticantes não têm a percepção de que o Qigong é o alicerce de tudo. Para alcançar um nível mais elevado e um maior sucesso na prática marcial, há que ter em relevância o desenvolvimento e o cultivo do Qi e como tal a boa prática de Qigong. Tal significa que as componentes meditativa e de cultivo da energia interna, fazem a diferença, para obtenção de uma optimização do potencial marcial na vertente física.

 

Em termos vulgares, poderemos dizer que a prática de Qigong é como escovar os dentes ou tomar um duche. Uma vez que se lava diariamente o corpo, porque não “lavar” todos os dias a energia? O Qigong lava, limpa e purifica a energia pessoal, tal como se tomássemos um duche internamente. A sensação de regeneração é denotada no abrandar do processo de envelhecimento. Contudo, a verdadeira vantagem, não se prende com o aumento de esperança de vida e prolongamento de juventude, mas sim, pretende-se viver o mais possível, com uma elevada qualidade de vida, isto é, num conceito de boa forma física, interna e externa, e num bom estado mental e emocional. Este é um desafio que vale a pena todos terem, dedicando tempo à prática de Luhoan Qigong.