Hung Sing Gwoon Minho

Escola Tradicional de Choy Lee Fut Kung Fu, Sanda, Chi Kung da Familia Chen

Choy Lee Fut Kung Fu


O Choy Lee Fut Kung Fu é um dos sistemas de kung fu mais conhecido actualmente e é considerado como um dos mais eficazes sistemas de combate nas artes marciais chinesas.

Foi criado pelo Mestre Chan Heung no ano de 1836, e recebeu o nome em respeito aos seus dois mestres, Choy Fook, Lee Yau Shan; Fut (significa Buda), foi escolhido como demonstração de respeito e homenagem á origem budista da arte.    

Os movimentos agressivos mas soltos são caracterizados pela agilidade na cintura e ombros, em combinação com um forte trabalho de pernas.

  


 

História do Choy Lee Fut Kung Fu


O texto que se segue, é da autoria do mestre Chan Yon Fa, contado segundo a tradição oral da família e depois de consultado os manuscritos da mesma.

Texto de Chen Yong Fa:

"O meu nome é Chan Yong Fa e eu sou um descendente directo, 5ª geração, de Chan Heung – o fundador do Choy Lee Fut. Nasci em Cantão, China. Com a idade quatro anos fui iniciado pelo meu avô, Chan Yiu Chi, e pelo meu pai, Chan Wan Hon, na arte do Choy Lee Fut . Baseando-me em recordações de conversas com elementos mais velhos da família e na referência a manuscritos dos meus antepassados, espero escrever neste artigo as origens do Choy Lee Fut, de modo a que outros possam ter uma melhor compreensão do nosso sistema de artes marciais".

Os dois primeiros Mestres de Chan Heung

O meu tetravô, Chan Heung, era originário da aldeia Ging Mui no distrito de Ngai Sai, do condado de Sun Wui, na província de Kwantung. Desde os sete anos que lhe foram instruídas as artes marciais pelo seu tio, o ancião da aldeia, Chan Yuen Wu. Apesar de ser apenas um rapaz, Chan Heung era forte e rápido a aprender. Ele tinha um talento natural, por isso conquistou rapidamente o afecto do seu tio, que não poupou esforços para lhe ensinar tudo o que sabia. Alguns anos depois, o Kung-Fu de Chan Heung, tinha feito progressos espantosos sendo por isso convidado a fundar uma escola para o seu tio, na cidade de Sun Wui.

Com o passar do tempo, Chan Heung viu a sua reputação aumentar ganhando com isso muitos alunos. Um dia, descobriu que um outro instrutor, de nome Lee Yau Shan, tinha sido convidado a ensinar nos arredores. Lee era um discípulo do monge Shaolin Ji Sin e a sua habilidade era tida como formidável. Chan Heung sendo forte, selvagem e apaixonado de uma boa luta, decidiu pôr as suas habilidades à prova. Heung emboscou Lee quando ele estava a sair do restaurante e tentou atirá-lo ao chão, tendo para isso posto ambos os braços em volta da cintura de Lee. Contudo, este tomou o ataque calmamente, dobrou ligeiramente os joelhos, baixou o seu chi e o centro de gravidade de tal modo que qualquer que fosse a força que Chan Heung aplicá-se, Lee permanecia imóvel. Em seguida Lee girou e rasteirou Chan Heung, que foi capaz de se levantar sem qualquer ferimento. Lee, elogiou Chan Heung e exigiu saber a que escola pertencia e porque o tinha atacado ás escondidas em vez de o ter desafiado para uma luta. Chan Heung, envergonhado, respondeu que o ataque tinha sido uma ideia sua na tentativa de aprender o limite das suas capacidades e que não queria implicar o seu mestre na derrota. Lee achou piada à resposta e deixou Chan Heung perplexo.

Alguns dias depois, Chan Heung soube que Lee tinha comentado que alguém tão forte e novo, com tamanha inteligência e habilidade, estava a desperdiçar a sua vida e talento porque a vaidade o impedia de melhorar a sua habilidade. Então compreendeu a verdade e que não existe limite para a arte do Kung-Fu. Imediatamente demitiu-se do posto de instrutor chefe e inscreveu-se na escola de Lee. Chan Heung foi discípulo de Lee durante cinco anos, levando assim a sua habilidade a um novo patamar.

O monge Choy Fook

Um dia, Lee Yau Shan e Chan Heung souberam de um monge recluso, de nome Choy Fook, que estava a viver num templo no monte Law Fou. Este monge era conhecido pela sua habilidade na medicina chinesa. Lee disse a Chan Heung que se o monge era tão hábil no Dit Da (tratamento de lesões musculares e esqueléticas ), deveria ser também hábil nas artes marciais. Ávidos pela curiosidade, Lee e Chan decidiram visitar o tal monge imediatamente. Ao chegarem ao portão do templo depararam-se com um homem muito velho, mas alto e musculoso e de olhar penetrante. Ele afirmou ser discípulo do monge Choy Fook, convidando-os a entrar no templo e tomarem chá com ele, enquanto esperavam que o seu mestre regressasse das rondas diárias.

Enquanto as duas visitas estavam sentadas, o homem idoso procedeu ao corte da madeira para ferver a água, fazendo isso com as suas próprias mãos. A curiosidade de Lee tinha sido suscitada. Ele comentou com Chan Heung que este homem idoso tinha um Kung-Fu bastante bom, e que, se ele se estava a exibir para o bem deles, isso significava que eles teriam de responder com algum truque seu. Lee levantou-se e caminhou para junto de uma pedra de moer arroz que estava junto das escadas do templo. Primeiro soltou a terra de volta das lages de pedra e em seguida deu um passo a trás e chutou a pedra de moer arroz levantando-a no ar. O homem idoso olhou-o divertido, e de seguida subiu para cima da pedra de moer arroz cortando à lage superior um canto, que pulverizou com as suas próprias mãos atirando o pó para a frente de Lee, anunciando, assim, que ele era na verdade Choy Fook e que o pó em frente de Lee servia de lembrança para os intrusos que não se comportavam de uma maneira apropriada.

Lee, ficou cheio de respeito por Choy Fook, agradeceu ao homem idoso e saiu imediatamente, deixando Chan Heung para trás para resolver a situação. Sendo um jovem astuto e amável, devoto às artes marciais, Chan Heung apercebeu-se que isto era uma oportunidade de treinar com outro mestre de conhecimentos superiores. Caiu imediatamente de joelhos em frente de Choy Fook implorando-lhe que o aceitasse como discípulo. Choy Fook observou Chan Heung em silêncio – observando as características e maneiras do jovem – e, finalmente, concluiu que o pedido era genuíno. Sorriu e disse a Chan Heung que, se ele desejava ser seu discípulo, teria que obedecer às três seguintes condições, ou então que fosse imediatamente embora:

1. Chan Heung teria que permanecer com ele no mosteiro durante pelo menos dez anos até ao fim da sua aprendizagem;

2. Chan Heung estava proibido de utilizar os seus conhecimentos para matar ou para aleijar e nunca deveria ser presunçoso daquilo que tinha conseguido;

3. Chan Heung teria que chutar a mó de arroz devolta para o seu lugar de origem; Para grande deleite de Chan Heung a mó de arroz caiu facilmente no seu buraco original, e ele tornou-se então discípulo de Choy Fook.

Durante os dez anos seguintes, Choy Fook ensinou, a Chan Heung, Kung-Fu com grande disciplina e precisão. Cada nova técnica demorava dias a aprender, pois, Chan Heung, tinha que entendê-la antes que a próxima pudesse ser ensinada e dominar cada movimento com velocidade, precisão, força. Chan Heung viu o seu Kung-Fu melhorar espantosamente e verificou que era muito diferente daquilo que tinha sido. O conhecimento fornecido por Choy Fook consistia em técnicas de punhos e bastão com ajuda nos treinos de bonecos de madeira. Era interminável e cheia de mudanças subtis, como a própria natureza. A combinação de trabalho árduo, dedicação, habilidade natural e de karma de um bom professor, permitiu a Chan Heung terminar o seu treino dentro do período dos dez anos.

Choy Fook despede-se de Chan Heung

Um dia Choy Fook deu um banquete em homenagem a Chan Heung durante o qual se despediu deste e revelou a sua própria origem. Ele era originário do Templo Shaolin de Fukien, o qual tinha sido destruído por um incêndio.

Durante a sua estadia em Fukien o exército Ching convidou 36 monges do mosteiro para ajudar a suprimir a revolta no Tibete, que já se prolongava à 3 anos. Foram necessários 3 meses para que os monges controlassem o Tibete outra vez. Temendo o progresso marcial dos monges Shaolin, o governo Ching propôs aos monges a sua integração na corte como monges guerreiros. Perante a recusa destes o governo Ching, temendo futura oposição, decidiu exterminar toda a ordem monástica Shaolin. Assim, incendiou todo o templo no 25º dia da 7ª lua no 11º ano do reinado do Imperador Jung Jing. No total sobreviveram seis monges sendo Choy Fook um deles. Escapou com a cabeça a arder e, por isso, lhe foi atribuída a alcunha de "cabeça ferida", devido à cicatriz da queimadura na sua cabeça. Mais tarde, este dirigiu-se para o Monte Law Fou na província de Kwantung onde permaneceu escondido.

Choy Fook continuou a dizer que as artes de luta Shaolin tinham sido originadas pelo fundador do mosteiro, o monge Da Mo (Bodhidharma) e mais tarde aperfeiçoadas pelo monge Gok Yuen e outro. Mestres de fora do mosteiro foram também convidados a contribuírem com as suas capacidades, neles estando incluídos os famosos Lee Sau e Bak Juk Fung.

Com o tempo e constantes experiências, as artes de luta Shaolin foram sendo refinadas. Seis anos de prática de Kung-Fu Shaolin podiam ser considerados como um pequeno feito; dez anos de prática de Kung-Fu Shaolin podiam ser considerados como um feito qualificativo.

Choy Fook disse que não tinha a certeza se era da sorte de Chan Heung ou por causa das artes marciais de Shaolin, que Chan Heung tinha conseguido aprender tudo o que ele lhe tinha para ensinar. Pois, já estava conformado com o facto de poder vir a morrer nesse deserto, levando consigo a sua arte para o túmulo.

Apesar disso estava disposto a mandar Chan Heung para casa, acrescentando, contudo, que para se ser um seguidor de Shaolin, se deve também procurar o caminho do buda, bem como a medicina chinesa e "os seis feitiços mágicos". Ao ouvir isto, Chan Heung decidiu ficar dois anos extras, até que estivesse pronto para deixar o mosteiro no 12º ano. Na altura da despedida, Chan Heung pediu ao seu mestre para lhe revelar o seu futuro. Choy Fook disse-lhe que, apesar dele não ser talhado para a vida de um oficial da corte seriam, ele e o seu filho, lideres de homens, enquanto a tradição de Shaolin se mantivesse viva. E, entre outros conselhos, deu a Chan Heung uma dupla copla que o tempo provou ser autêntica: 

"O Dragão e o Tigre encontraram-se no Paraíso

Para reviver os nossos caminhos Shaolin

Ensina aos nossos seguidores a rectidão

Deixa cada geração manter a tradição e inspirar"

 

Quando Chan Heung disse o seu ultimo adeus, estava acompanhado por três dos seus irmãos aprendendo todo o caminho da encosta da montanha. Eram eles Jung Tin Cheung (de alcunha Jung o Corajoso), um monge do Monte Law Fou de seu nome Tung Kwan e um homem do seu próprio país de Sun Wui chamado Chan Chang Inn.

Chan Heung regressa à província de Sun Wui

Chan Heung voltou para a sua aldeia e abriu uma clinica para ajudar e tratar os doentes.

Mais tarde foi persuadido pelos anciões da sua família a fundar uma escola no pátio ancestral da aldeia. Denominou o local de Hung Sing Gwoon e a sua clinica de Wing Sing Tong.

Naquela altura Chan Heung concluiu que todos os principais ramos das artes marciais chinesas eram originários do templo Shaolin, bem como os famosos estilos sob os nomes de família dos Hung, Lau, Choy, Lee e Mok. Vendo que o seu estilo de Kung-Fu foi também ensinado por professores de apelido Choy, Lee e Chan ele pensou que seria correcto sintetizar os seus ensinamentos e dar-lhes um nome que comemoraria e honraria os seus feitos, em vez de ser egoísta e atribuindo-lhe o seu próprio nome.

Escolheu o nome Choy Lee Fut, dando a seguinte explicação: Choy em honra do monge Choy Fook, que lhe transmitiu muito do seu conhecimento; Lee, em honra de Lee Yau San e ao mesmo tempo comemorar em especial outro pioneiro, Lee Sau, que veio expandir e melhorar o alcance das artes marciais Shaolin; e Fut significando Buda para comemorar a origem budista da arte, pois todos os seus três mestres poderiam encontrar a sua linhagem até ao templo Shaolin.

Três anos mais tarde, a convite do seu tio e das associações locais de estrangeiros, Chan Heung deixou a aldeia e viajou pelo oceano Atlântico. Aí, ensinou os chineses estrangeiros durante três anos, seguindo os seus compatriotas locais. Depois viajou para o sul do oceano (Singapura e Malásia) para ensinar na Associação de Kwantung por vários anos. No regresso e á sua chegada ao Monte Law Fou, para visitar Choy Fook, descobriu que o monge tinha morrido durante a sua ausência com a idade de 112 anos. Interpretando o facto de não ter sido capaz de falar com o mestre uma vez mais, antes da sua morte, como mau sinal, decidiu fazer penitência através da edição de um livro com tudo aquilo que sabia. Assim, impossibilitaria haver má interpretação e ambiguidade dentro desta arte. Chamou ao manuscrito "O manual das artes de luta Choy Lee Fut".

O meu tetravô passou esta arte para os seus filhos, Koon Pak e Si Loong (também conhecido por On Pak). Si Loong recebeu apenas o conhecimento da medicina e da formula mágica e morreu cedo sem um herdeiro masculino.

O meu bisavô, Koon Pak, passou a arte ao seu filho Yiu Chi e este por sua vez passou o seu conhecimento para o meu pai, Wan Hon. Foi, contudo, principalmente com os esforços das três primeiras gerações que a arte do Choy Lee Fut se espalhou por toda a China, Hong Kong, Macau, Sudeste Asiático e Mundo ocidental.

O meu pai morreu em Cantão em 1979 e agora é a minha vez de continuar a tradição de propagar a "arte do Choy Lee Fut".

Videos de Demonstração do Sistema